23 de jun de 2009

Dia Universal Olímpico

Hoje é dia 23 de Junho, dia em que se comemora o Dia Universal Olímpico.

A pedido do Breiller, que faz o excelente Rola Blog, blogueiros de várias categorias do esporte deveriam concordar ou não com a seguinte frase:

"O esporte é capaz de transformar o mundo e a sociedade em que vivemos"

Falando sobre a F1, basta apenas com que vejamos a mudança sofrida na Espanha após a aparição de Fernando Alonso na F1.

Um esporte praticamente desconhecido para muitos, passou a disputar espaço nas rodas de discussões com o esporte de maior prestígio no mundo: o futebol.


As pessoas têm claro o que é um difusor, o Kers ou um flap lateral e defendem "até a morte" seus "interesses". Um exemplo claro disso foi o enfrentamento Alonso x Hamilton, em 2007. A parte negativa disso tudo é que, provavelmente, muitos não entendem que a briga é apenas dentro das pistas.

Falando sobre outra paixão espanhola: as motos.

O circuito de Jerez de la Frontera, no Sul da Espanha, é considerada para muitos, a estréia do Mundial de MotoGP, apesar de ser sempre a 3ª ou 4ª etapa.


Mas isso porque para ver o Grande Prêmio em Jerez, motoqueiros de todas as parte do mundo - Partes da Espanha, Itália, Finlândia, Portugal, Alemanha, França, etc - pegam suas motos e percorrem kilômetros para participar da "festa de Jerez".

Tudo pelo "ambiente" que ali se encontra, pelo amor pelas motos e pela paixão ao esporte.

Já não é só o futebol que move multidões...

8 comentários:

Certeza...

O único diferencial do automobilismo para o futebol é o acesso... É fácil ser jogador de futebol, mas é difícil ser praticante de automobilismo, pois tem um custo relativamente alto envolvido...

Por isso que o futebol é o esporte das massas e o automobilismo das elites...

Mas para ser espectador/telespectador o custo é baixo, mas a emoção é garantida... Gosto mais de assistir automobilismo que futebol na TV...

PS1: sobre a enquete, fui eu quem votou na FIA, mas por um bom motivo... Como em todas as enquetes anteriores eu votei em quem perdeu, nesta eu votei em quem eu quero que perca a briga, apesar de achar que no final eles se acertam...

PS2: Pensei que hoje teríamos uma "ressaca" braba!!!

Pri,

Excelente post. Concordo em gênero, número e grau.

E você foi muito feliz nos exemplos, principalmente porque essa é uma realidade que você vive de perto.

Beijão,

E digo mais, Priscilla: a mobilização da Espanha em torno da "causa Alonso" fez não só o país atentar para a F-1, mas muita gente "de fora" passou a acompanhar o circuito depois do fenômeno espanhol.

A mesma coisa que ocorreu com o Brasil, à época do Senna. E olha que, até então, éramos exclusivamente o país do futebol. Você foi muito feliz ao constatar que não é só a bola quem tem o poder de mexer com as massas. Esportes olímpicos e o automobilismo também envolvem muita paixão e acabam congregando diversas pessoas - como o exemplo de Jerez, que o Guard Rail cobriu com grande êxito.

Apesar do B'Hengler@RR1 ter dito que o acesso ao futebol é mais facilitado do que à F-1 - o que não deixa de ser verdade -, não acredito que o automobilismo seja um esporte das elites. O futebol, dependendo do ponto de vista, também pode ser um esporte das elites. O interesse, ainda que apenas via TV, vai ser despertado tanto no pobre quanto no rico. Pois se trata de esporte, competição, algo que não diferencia classe social ou qualquer outro status.

Andei sumido por uns dias, voltei para encher vocês.

É claro que o esporte transforma. Qualquer que seja a modalidade. Há esportes mais "populares" e outros menos, mas vê-se nas competições que quando uma pessoa se destaca, o esporte ganha novos adeptos.

No Brasil, temos como exemplo o Guga. O tenis nunca foi tão praticado aqui quanto na época em que o Kuerten estava no top 20 do ranking mundial.

Mas tem o lado ruim também: a politicagem. Hoje, com a mídia, os altos patrocínios e os interesses corporativos, deciões são tomadas por razões meramente políticas, muitas vezes contra o esporte. Não estou falando só da FIA. Podemos colocar nesse balaio a FIFA, COI, FMG...

Uma das únicas que parece estar atenta às mudanças e que tenta protoger o esporte é a FINA, que acabou de cassar o record mundial do francês nos 100m livres, por conta do polêmico maiô aquadinâmico.

É uma pena que o Brasil não é um país sério, em todos os sentidos. Dava para fazer muita coisa com o esporte para melhorar a situação social. Mas a corrupção impera e as pessoas só estão interessadas em seus próprios interesses...

@Breiller...
Me refiro ao automobilismo ser esporte de elites pelo custo elevado de quem quiser praticá-lo... Mesmo o kart é relativamente oneroso em relação ao futebol... Só isso... No mais está tudo certo...

@Don Corleone...
Certíssimo... Até eu dei uma de tenista na época do Guga!!! Kkkkkk... Era cada paralela!!! Com a "paciência" que eu tenho era uma beleza, depois da terceira raquete eu abandonei... Kkkkk...
E sobre o Brasil, é uma pena não termos autoridades sérias, parece que o sangue do brasileiro tem uma mistura especial, que mesmo sem apoio temos sempre algum representante competitivo em quase todos os esportes, cada história impressionante no passado de nosso atletas... Nosso país um pouco melhor administrado nos transformaria em uma potência esportiva!!!

Honeroso!!! Que coisa horrível!!!

legal Pri, mas no seu relato acho que mudaria a frase para "Quando tem alguém do próprio país disputando muda tudo" ou mais ou menos isso, ou então no caso do Brasil "Quando tem algum brasileiro na disputa, a mídia passa a dar atenção" !!!!!

Don Corleone, vale ressaltar o judô brasileiro que até bem pouco tempo atrás era o único esporte que nos dava algum ouro nas Olimpíadas.Mas aí veio a familia Mamede e destruiu a Federação Brasileira de Judô.O Aurélio Miguel parece que tentou peitá-lo e ficou algum tempo sem competir como punição.Me corrija se eu estiver errado.

Compartilhe

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More