30 de nov de 2008

Novo Centro de Excelência Renault

A equipe Renault criou no ano passado um Centro de Excelência especializado no cálculo de dinâmica e fluídos: o CFD.

Mas o que é o CFD?

A dinâmica de fluídos é uma tecnología da qual o desenvolvimento se viu disparado nos últimos anos, na Fórmula 1.

Graças aos processadores e aos programas cada vez mais sofisticados, que permitem aos engenheiros simular, modelar e dar a imagem exata da interação entre o carro e o fluxo de ar que se cria quando está em movimento, essa ferramenta se utiliza principalmente no desenho aerodinâmico da carroceria e elementos.


" No momento em que mais e mais nossos rivais investiram em um segundo túnel de vento, nós pensamos que esta seria a melhor forma de avançar ", explica Bob Bell.

Qual o motivo de gastar dezenas de milhões de dólares em um projeto como esse?

"É uma tecnologia real que nos ajuda a conseguir melhores resultados pela metade do preço"
- completou.

O núcleo do Centro de Excelência da Renault é um grande equipamento, provavelmente o 50º mais poderoso do mundo.

A tecnologia CFD desenvolvida em Enstone permitirá ao CFD e ao túnel de vento, ferramentas complementárias, interactuar.

Na Fórmula 1, o CFD foi visto inicialmente como uma ferramenta de confirmação das provas de túnel de vento tradicionais. A simulação usando modelos a escala foi o centro de desenvolvimento de base, e o CFD se utilizou para filtrar as idéias antes que se pusessem a prova no túnel de vento, ou para validar os dados recolhidos nele. No novo centro Renault CFD esse enfoque será modificado.
A equipe será capaz de fazer avançar os limítes dessa tecnologia e transformá-lo numa ferramenta capaz de simular as condições reais de pista com um grau de exatidão nunca alcançado. Isso ajudará a Renault em um agressivo programa de desenvolvimento de aerodinâmica.
Essa tecnologia participou da última fase de desenvolvimento do R28 e principalmente, será utilizado na criação e desenvolvimento do R29.


Participe da Pesquisa Fala Leitor! Clique aqui e dê sua opinião!


Fonte: Gpeuropa.net
Fotos: Sem créditos

10 comentários:

Coméntar o quê??? voçê já arrebentou com essa matéria, sobre os avanços que a equipe renault, voltou a promover, depois do fracasso de 2007...e um inicio de 2008 terrivél. Talvêz...ai esteja um dos motivos da permanençia de Alonso e Nelsinho para 2009. Alonso por saber que as mudanças para 2009? todas as equipes, vão ter que se adaptar a elas. Pode continuar do mesmo jeito...ferrari,maclaren,bmw a frente. Mas também pode mudar tudo. E Nelsinho, porquê a prioridade de renovação de seu contrato! era da renault. E se ela, fêz isso prevalecer?? é porquê....confia no jovém brasileiro. Vai aqui desse "goiano" os parabéns para a.... "EQUIPE RENAULT E A PREFEITURA DE S.PAULO", pelo evento, promovido nessa manhã de domingo, para a população paulistana. Mesmo vendo pela tv, vibrei muito...então imaginém os privilégiados que se encontravam ali...ao vivo.

Simulação de fluidos foi uma das técnicas que mais evoluíram nos últimos 10 anos da computação gráfica. Principalmente principalmente pelo apelo da tecnologia, que fez muitos geeks pesquisarem sobre ela, e também obviamente muitos estúdios de cinema.

Hoje em dia, a técnica de simulação de fluidos está passando a cada dia mais ser somente conhecida como técnica de simulação de partículas, já que o principio de interação de fluidos computacionalmente é o mesmo aplicado a interação de qualquer outra partícula, mudando somente os parâmetros base (viscosidade, dimensão, dispersão.. etc..), em fim... O que realmente está sendo feito nesse grande centro de pesquisa da Renault é um processo de simulação de partículas, afinal o "ar" é um aglomerado de partículas (de diversos tipos).

É uma boa sacada da renault, simular o vento é realmente um processo bem interessante, e que hoje mesmo com um um poder computacional baixo (quad core para desktop) é possível simular ao olho nú o mesmo efeito dos tuneis de vento com alta precisão! Repito: ao olho nú! E por isso as equipes usavam para simular um pré-comportamento nos tuneis de vento e/ou para confirmar tais efeitos processando um trecho menor (ganhando assim mais precisão).
Entretanto naturalmente, cameras de alta velocidade com alto poder de zoom eram mais adequadas para esses testes, pois podiam ir até onde um computador "normal" não poderia, verificar com precisão as interação em nível e partículas. Ou melhor, não tão bem preciso assim, tuneis de vento possuem um defeito muito grande, precisam de algum tipo de "contraste" (geralmente uma fumaça) para tornar a interação do ar visivel, e essa fumaça (até pelo principio de heisenberg) torna o teste impreciso.

É ai que tal simulação computadorizada ganha, se feita como a renault fez, usando supercomputadores, não existe nenhuma fumaça ou qualquer outra coisa que possa "atrapalhar" a real interação entre tais partículas do ar com a carroceria, e ainda é possível analisar trecho a trecho diversos acontecimentos que não podem ser simulados no túnel de vento com precisão, como a questão da aerodinâmica em ambiente chuvoso, etc... Serio possível analisar até os efeitos da humildade do ar!

Em fim, em minha opinião foi um passo certeiro da Renault! Muito bom mesmo!

Agora sobre ele ser o 50º mais poderoso! Atualmente essa posição é ocupada pelo Infiniband (IDRIS) na frança, que possui cerca de 3584 processadores, sendo capazes de fazer cerca de 50.551.600.000.000 cálculos por segundo, ou seja, 50 trilhões de cálculos por segundo! Ou seja, deve ser mais que capaz de substituir um túnel de vento.

Belo post, Priscilla...
Mas é sempre bom lembrar que nem sempre o dinheiro compra as vitórias, apesar que aumenta em muito as chances de que isso aconteça...
Ou não teria motivo de a Renault insistir tanto na permanência de Fernando Alonso... Ela sabe que na hora do "pega" ele faz a diferença...
E por mais que a tecnologia avança, ainda é o piloto a peça principal do carro de corrida, seja qual for a equipe e a categoria...

Essas histórias de tecnologia de ponta me lembram um fato que ocorreu na corrida espacial entre EUA e a Rússia... Os americanos pesquisaram durante anos uma maneira de fazer com que as canetas escrevessem no espaço... Gastaram 300 milhões de dólares em pesquisa até que conseguiram... Na Terra esta caneta tinha a característica de escrever de ponta cabeça... Incrível, não???
Os Russos usaram um lápis...

Tudo leva a crer que com o
CFD e a Reconstrução do tunel de vento, a Renault deva ter um carro sem aqueles erros de construção que fizeram do R27 e o R28 serem deficientes.
E levando em conta a animação do Alonso com o R29, teremos uma Renault bem competitiva.

Aderson está coberto de razão. É bem provável que o ano de 2009 teremos uma Renault com menos erros.
Se vocês observarem estamos entrando em uma nova era da Fórmula 1. Estamos cobertos de novidades.
Um abraço.
SAVIOMACHADO

HÊHÊNÊ....Priscilla, hóje ou até agóra...tive simplismént um "shou" de explicações, a respeito de assuntos ao qual sou totalménte leigo!!!valeu.

Incrível onde pode chegar a tecnologia da F1. A Renault, pelo jeito, pode se dar bem com este belíssimo Centro.

Oi Pri,
Bom espero que o centro de excelência da Renault fabrique um excelente carro para que um certo excelente piloto possa voltar a briga. Seria muito bom ver Hamilton, Kimi, Alonso, Massa e quem sabe até a BMW fazendo um campeonato bem disputado.

Já mudei o endereço do Link lá no Blog! Parábens pelo espaço que cresce merecidamente pela alta qualidade que possui.

Beijos.

Medo. Vão matar a F1... outra vez.

Priscilla,
Excelente Post. Não conhecia o CFD.

Lendo a matéria, parece-me dentro da tendência de utilizar cada vez mais a simulação gráfica. Túnel de vento ficou com cara de geração anterior.

E a evolução contínua dos softwares permite prever que esses Centros possam aumentar seu repertório de simulações, coisa muito mais difícil de se realizar nos moldes antigos.

Lembrei dos pilotos em Valência e Singapura: todos chegaram aos circuitos fazendo WARM UP prévios em pistas virtuais.

Bjs

Compartilhe

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More