17 de jan de 2009

Proibições Aerodinâmicas na F1 - 2º parte

Segundo post da série sobre as proibições aerodinâmicas na F1 desde sua criação...

Voltamos um pouco na história, mais precisamente em 1977, porque nesse ano surgiram outras duas inovações: pneus sulcados e o motor turbo.

O percursor do motor turbo foi o Renault RS/01. Ao princípio, a equipe teve problemas com o novo tipo de motor, que apresentava problemas de confialbilidade. Vieram a solucionar totalmente este problema em 1983.

Renault RS/01

Durante os anos de desenvolvimento dos motores turbo, deu-se uma batalha entre equipes como a Lotus ou Williams, que usavam o "efeito-solo", e as equipes com seus custosos motores turbo, como Renault ou Ferrari, por exemplo.

Porém, 1983 foi o último ano em que um motor "normal" ganhava uma corrida onde competisse um motor "turbo".

Os turbos melhoravam a cada ano e a FIA tentava alternativas para diminuir a velocidade dos carros - diminuindo carga de combustível, limitando a pressão do turbo, etc...- e para diminuir os investimentos exagerados no desenvolvimento técnico do motor.


Em 1987, chegaram a realizar um campeonato paralelo para os "não-turbinados". O campeonato de Construtores se chamou "Colin Chapman Cup" e, o de Pilotos "Jim Clark Cup". Durou apenas uma temporada.

Além disso, foi o ano em que reentroduziram os motores atmosféricos (normais) nas corridas, aumentando sua cilindrada para "dar conta" dos motores turbo. Apesar das medidas, os turbo continuaram dominando.

Em 1989, a FIA proibiu, finalmente, os motores turbinados.

Chegamos a outro momento-chave da Fórmula 1: os carros "ativos". Carros controlados por suspensões ativas, controles de tração, freios ABS, caixa de marcha semi-automáticas, controles de largada automáticos, etc...

A Lotus em 1986 desenvolveu um sistema de suspensão ativa controlada eletrônicamente. Na parte da frente do carro, através de sensores, mediam a quantidade de ar e subiam ou baixavam o carro, dependendo da zona emq ue atuava. Dessa forma a aerodinâmica se adaptava às subidas ou baixadas.

Lotus 99T

A Lotus disputou a temporada de 1987 completa com o Lotus 99T, com o OK de Ayrton Senna. Apesar de conquistarem 2 vitórias, nem tudo agradou. O dispositivo aumentava o peso do carro de 10 a 12 Kg e a bomba hidráulica "roubava" potência do motor. Ao final, o carro não era tão competitivo como esperavam.

Em 1991, a Williams desenvolveu seu próprio sistema de suspensão ativa que consumia pouca potência. Apesar de ser o carro mais rápido do grid, a Mclaren era mais fiável e o campeonato ficou com eles. No ano seguinte, com algumas melhoras, o FW 14B foi imparável.

FW 14B

Em 1993, a FIA voltou a se preocupar com a passagem pelas curvas e tentou proibir as suspensões ativas. A idéia era considerá-las "dipositivos aerodinâmicos móveis", algo proibido pelo regulamento. Em 1994 foi, finalmente, proibido.

Na verdade, em 1994, se proibiram as "ajudas aos pilotos": controle de tração, freio ABS, suspensão ativa, rodas traseiras direcionais e tudo o que podia servir de ajuda.

Continua...


No próximo sábado, chegamos à metade da década de 90, um dos períodos com maior número de proibições na F1...

- Proibições Aerodinâmicas da F1 - 1º parte


Fontes:http://formula1.escharlamotor.org
www.wikipedia/historiadaformula1

3 comentários:

Priscilla, em 1987 Piquet tambem desenvolveu uma suspensão ativa pra williams. Nelson declarou na epoca que o sistema fazia uma diferença enorme no desempenho do carro. E foi com um carro equipado com suspensão ativa que ele levou facil o GP de Monza daquele ano.
Só que como o Mansell não se adaptou bem ao sistema e a equipe preferiu abolir, pois tava dando muita vantagem ao Piquet.
Coisas daquela guerra Mansell-Piquet em 1987.

Bjs.

Pois é, e foram aquelas proibições do final de 1993 que causaram a maior tragédia do automobilismo brasileiro...

Estamos a beira de uma nova mudança radical na F1, espero que a história não se repita...

Essas regras da F1 que me deixam decepcionado...

Se a suspensão ativa era um "dispositivo aerodinâmico móvel" quem utilizou deveria ter sido desclassificado em todas as provas que participou...

Na minha opinião, quando uma equipe traz algum equipamento diferenciado e não sabe se está dentro do regulamento, esta deveria fazer uma solicitação à FIA e só utilizá-lo após aprovado... Se utlizasse antes da aprovação e este fosse reprovado pelos comissários a equipe deveria ser punida com a eliminação em todas as provas disputadas até então no campeonato...

Na primeira prova de 2008 a Ferrari tinha o assoalho móvel, e após a constatação da FIA ela foi proibida de utilizá-lo... RIDÍCULO... Ela deveria ter sido excluída da prova e sofrido uma punição de três corridas, o mesmo que foi feito à BAR pelo seu lastro de combustível...

Compartilhe

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More