5 de jun de 2012

Montreal: Apenas una zona de DRS

Ao contrário do sucedido no GP do Canadá do ano passado, onde os pilotos contaram com duas zonas para a utilização do aerofólio móvel, desta vez, terão apenas uma zona para o DRS.


A zona de detecção estará na curva 10 e 600 metros antes da curva 13, poderá ser ativado. Se elimina, portanto, a zona de DRS na reta de meta

10 comentários:

Vai ser inoperante, é um trecho muito curto, não fará muita diferença... Agora, se deixassem até chegar na freada do muro dos campeões... ai sim.

Fico pensando aqui comigo. Os caras inventam as girigonças e depois não sabem usalas. Se a asa movél é para ajudar os pilotos...então tinha que se acabar com essa frescuragem de zona da DRS. Deixe os pilotos usarem de acordo com suas necessidades em pista, seja para atacar ou se defender. O piloto que souber melhor usar o artificio, levara vantagem em cima dos cabeças de bagre. No Canada nem precisava dessa geringoça...e ainda por cima eles limitam o tamanho do trech a ser usado. Ou usa na grande reta toda ou deixe sem então uai.

Discordo aí Groo e Latueiro...

Baseado no que ocorreu ano passado eles estão calibrando a DRS para fazer funcionar em qualquer pista, funcionou até em Barcelona!!!

Só não "fungou" em Mônaco porque não precisa nem explicar, né... Tanto estão calibrando que tiraram a segunda parte que só servia para o carro que ultrapassava abrir vantagem... E nós queremos a coisa embolada!!!

Só não pode liberar total Latueiro, ou não fará diferença!!! Mas acredito que a solução da Stock Car com o nitro seria mais justa e equipararia as disputas...

E o maior problema enfrentado pelos carros na DRS é que se você regular o carro para sobrar rotação no motor na última marcha para ganhar velocidade com a DRS ativada você perde desempenho quando está de cara para o vento e não pode ativá-la...

A equipe que mais está sofrendo com essa calibração é a McLaren, para alegria do Lee!!!

Vou ser franco, meu caro B´Hengler...eu não me empolgo nem um pouquinho com esses artificios criados para melhorar a f1.

Esse negocio de kers, drs, o banido difusor. Assisto e acompanho a f1, por que esta no sangue desde o inicio dos anos 80.

A volta dos pneus sliks foi um grande passo...mas ai, cagaram no pau ao banir o reabastecimento. Nos restaram ultrapssagens que não empolgam ninguem...mas é o que resta. Então vida que segue né.

Sei não, Latueiro, penso que o fim do reabastecimento foi a melhor medida, afinal o piloto tem que ter uma pilotagem mais técnica. Acredito que ficaria bom sem essa neurose de ter que utilizar os dois pneus, ora, deixa a equipe fazer o que quizer com a tática de corrida, assim, teríamos no fim da corrida, diferentes táticas, com diferentes rendimentos. O grande problema hj, é que os carros não quebram, e as pistas permitem erros, algo que antigamente não existia com as caixas de brita. Hj vemos pilotos usando a parte externa do circuito na cara dura.

Não vejo a F1 dos anos 80 tão nivelada assim, sem artificialidades!!!

Veja bem, tinha motor com 1.200 HP contra outros com 800 HP!!! Quem via o que andava na reta aquela Williams de 87 sabe o que estou falando... Tanto que o Prost reclamou publicamente!!!

Era fácil ultrapassar assim, mesmo sendo bem mais lento nas curvas!!! Hoje a coisa está muito mais nivelada... Temos vários carros andando no mesmo segundo...

Já o KERs foi implantando visando desenvolvimento tecnológico, é igual para todos, não faz diferença na ultrapassagem, a não ser que o piloto modifique a calibração, o que fica do jeito que você pede, Latueiro...

O problema maior não é ter acabado com o resbastecimento. O prolema maior é a mesmiçe de todas as equipes. Todo mundo vai pra pista igual, com pneu igual pra tantas voltas...todo mundo se pudesse paravam pra troca na mesma volta...piloto pra usar a bendita asa tem que embutido no da frente se não...não pode. O da frente coitado, nem da para falar nada.

Engrassado B´Hengler,pois vejo muito se falar das Williams de 86/87...e de 92/93...E o que falar das McLarens de 84/85 e 88/91...não andavam nada né. Voavam pra ser mais exato.

Williams de 87 e 92, McLaren de 88 e RBR de 2011 talvez sejam os melhores carros já fabricados na F1...

Só que citei a Williams de 87 não por ela ter sido carro do Piquet campeão, mas sim pelo fato de que o destaque dela era o desempenho nas retas...

Os demais carros eram mais equilibrados na relação velocidade/estabilidade, mas aquela Williams de 87 era só potência!!!

A Williams de 86 não citei porque acabou perdendo o campeonato, mas vale o mesmo!!!

A opção de usar dois tipos de pneu foi justamente para evitar estratégias iguais. Como esse ano, as equipes estão com dificuldade para acertar o carro para os dois tipos de pneu, isso está gerando oscilação em desempenho e em algumas corridas trazendo várias ultrapassagens.

O tanque cheio não fez diferença alguma para mim.

Sobre o DRS, eu acho que o desenho está errado, se não estiver tá curto até demais.

Eu já prefiro o não reabastecimento, pois coloca todos os pilotos em igualdade de condições no início e à medida que o carro vai ficando menos pesado o piloto vai determinando a estratégia com a durabilidade dos pneus. E o piloto que sabe "entender" melhor as respostas que o carro vai emitindo durante a corrida acaba se beneficiando. Além disso, as ultrapassagens têm que ser na pista e não nos boxes.

Uma das coisas que eu aboliria é a bandeira azul, a não ser em circuitos de rua, e as punições que vão ser analisadas após o fim da corrida.

Compartilhe

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More