25 de mar de 2013

[Áudio] Alonso explica porquê não parou

Na volta nº2 do Gp da Malásia um dos candidatos ao pódio e, por que não, à vitória, terminou prematuramente sua corrida na brita.


Fernando Alonso, largando em terceiro, conseguiu superar ao companheiro Felipe Massa e já na primeira curva estava, literalmente, colado na traseira do carro nº1.  Na curva 2, bem fechada, muito lenta, feita em 2ª marcha, Alonso toca de leve o difusor de Sebastian Vettel, provocando que seu aerofólio dianteiro se torcesse.

O ritmo não é ruim e o espanhol segue em pista, sem ver realmente o estado do aerofólio. Chega a volta 2 e na reta de meta o aerofólio não aguenta a turbulência e se desprende, entrando debaixo do carro e deixando o espanhol como mero passageiro em seu Ferrari. Fim de prova pra ele e um zero importante na tabela.

A partir daí começam os comentários, os palpites e os entendidos de plantão. "Erro garrafal da equipe e do piloto", dizem alguns. Outros que o erro é do Alonso que "como bi-campeão que é não pode cometer erros tao primários". E por fim, "erro da equipe que não o chamou para os boxes". Teorias e mais teorias que depois do ocorrido são sempre mais fáceis de formar.

A teoria mais normal seria a de que equipe e piloto tentavam estender o máximo possível seu tempo em pista, já que não tardariam nada em trocar de pneus intermediários a pneus slicks - Vettel foi o primeiro na volta 6- para não ter o handicap dos 20s a mais que um pit stop te proporciona. Seriam últimos com diferença se tivessem feito o esperado, que era a entrada em boxes.

Porém, deixando as teoria de lado, deixemos que o protagonista da situação fale. Após o Grande Prêmio da Malásia, Alonso explicou o por quê não entrou nos boxes e porquê ele considerou que foi um cúmulo de azar o que o fez abandonar:



A declaração começa no minuto 0:50 e termina no minuto 3:00.

"Eu logicamente não vejo nada desde a posição em que estou no carro.As sensações não eram ruins pilotando o carro e sabíamos que na volta três, quatro, teríamos que parar para colocar pneus de seco. Durante a volta que demos o aerofólio parecia estar bem e pela tv não parecia dar problemas e portanto dissemos "vamos tentar aguentar uma volta mais ou duas voltas mais e quando paremos para colocar os pneus slick trocamos o aerofólio", porque se paramos na volta 1 e logo na 3 outra vez seríamos os últimos destacados.

Infelizmente foi um cúmulo de circunstâncias. Na última reta se desprendeu um pouco e começou a sair chispas e nesse momento faltavam uns 5seg para a entrada do pitlane e já não dava tempo pra me chamar. Na reta seguinte se soltou. Portanto, foi um cúmulo de circunstâncias, um tremendo azar. Sei que amanhã apenas se falará de que tínhamos que ter entrado (a boxes), uma afirmação muito fácil de fazer quando já ocorreu e quando eu acredito que realmente foi um azar terrível.

"Acariciamos" a um carro e não tivemos nem a sorte, entre aspas, de que o aerofólio caísse, porque assim já entrávamos diretamente, né? Teve que ir justo pra debaixo do carro, portanto, decisões erradas ou acertadas a posteriori sempre é fácil. Mas o fator azar é inapelável".

Resumindo: a teoria "mais normal" era a correta, porém, erro tremendo da equipe, ou de Andrea Stella, em todo caso, engenheiro de pista de Alonso, que não soube analizar bem a situação do aerofólio que imediatamente depois do toque começou a soltar chispas, e não só na reta como comentou Alonso. Com retas tão longas, apesar do acusado bom ritmo, era ser demasiado otimista pensar que aquele aerofólio torto aguentaria a turbulência das retas. Com a ultrapassagem de Webber, vimos que era impossível aguentar mais de uma volta. E para finalizar, o primeiro valente entrou na volta 6. Seis! Nem três, nem quatro: 6! Provavelmente, entrar na volta 3 ou 4 para trocar os pneus lhe faria perder os mesmos 20s, 25s de um pit stop, então...

A nova oportunidade para Alonso e os demais chegará dentro de 3 semanas, no Grande Prêmio da China

6 comentários:

Um erro de Alonso é raro, mas erros da Ferrari são grosseiros...Falar em herói com uma asa dianteira pendurada só de um lado e muito primário. Assim é a Ferrari: quando tem um bom carro, erra no pit; quando tem um carro porcaria acerta tudo na tática, vai entender...Vettel diminuiu na curva porque todo piloto experiente e precionado faz isso, para ganhar na reaceleração, mas o erro de Alonso foi menos grave do que o da Ferrari. Com o carro e o talento que possui, fatalmente o espanhol terminaria entre os 6 primeiros fácil, fácil.

Faço minhas as suas palavras, Wagner...

Erro brutal da equipe que não soube medir o prejuízo.

Alonso, além de grande piloto, ainda sabe contemporizar as burradas da equipe.

A ideia não era ruim. Mas a execução foi.
Se dá certo o que ele queria fazer, hoje tava todo mundo louvando.

Não é questão de ser entendido. Qualquer pessoa sabe que é quase uma certeza que isso ia acontecer, era obvio que tentaram arriscar não cair de imediato mas era certo que isso ia acontecer.

Não é atoa que os mecânicos são treinados para se posicionar imediatamente após esse tipo de colisão,em qualquer equipe.

Neste excelente e exclusivo video do Radio de todas as equipes durante o Gp da Malasia, mostra que Alonso tomou a decisao de nao entrar nos boxes antes de completar a volta 1
A equipe ja estava a sua espera...
http://dai.ly/15N4qdA

Como já expliquei no FB esse áudio nao é correto. Nao é a rádio do Alonso.

Compartilhe

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More